terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Para a Lucinha




Em resposta a uma das nossas leitoras...
Aqui partilho o seu pedido, anexo as respectivas fotos e deixo uma informação final. Caso mais algum leitor tenha informações adicionais, pff., envie-nos para podermos partilhar no blog.




"Boa tarde, Alexa!

Descobri recentemente o seu blog e fiquei encantada não só por recordar a Benfica da minha infância e juventude, mas também por conhecer como era esta zona antes de eu viver aqui, há mais de 25 anos.


(...)

Gostaria também de fazer um pedido de fotos.

Recorda-se de um prédio que era habitado (ainda nos anos 80, no fim da década), mas depois foi mandado selar e por fim foi demolido, e que se situava na Estrada de Benfica, perto do cruzamento com a Avenida do Uruguai?

Esse prédio situava-se em frente à antiga papelaria São Luís, onde agora existe um chafariz
[um mobiliário urbano de forma redonda, com assentos e espaço para floreira], mesmo ao lado do oculista.
Tenho a vaga ideia de achar esse prédio bonito, e de ter sentido pena com a sua demolição...

Acha possível arranjar fotos do edifício em questão?




"Palacete na Estrada de Benfica, Nº 540" (1971)
Armando Serôdio, in
Arquivo Municipal de Fotografia



CORRECÇÃO:


Na verdade, a foto que publicámos acima, tratava-se de um palacete que ficava situado junto ao palacete que a Lúcia nos tinha pedido.

Como fomos alertadas pelo nosso leitor Jorge Resende (a quem agradecemos bastante), o palacete onde funcionou o Posto de Saúde de Benfica nº15 tratava-se do edifício que se pode ver nas fotos abaixo.

Citando Jorge Resende: "Entrei muitas e muitas vezes ali com a minha mãe para sermos consultados por um médico de nome Próspero dos Santos a quem presto a minha homenagem pela sua humanidade, pela sua competência, pela sua delicadeza. Esteja onde estiver hei-de recordá-lo sempre. Faz também parte das minhas memórias. E como falamos do Posto de Saúde, refiro também duas senhoras de Benfica que ali trabalhavam: Maria Luísa, residente na Vila traseira à Igreja e que foi minha madrinha de baptismo e Maria do Carmo.
No seguimento deste palacete até à esquina com a Av. do Uruguai ficava sim o outro palacete que a sua foto mostra."




"Palacete na Estrada de Benfica" (1961)
Augusto Fernandes, in
Arquivo Municipal de Fotografia


"Palacete na Estrada de Benfica" (s/data)
Artur Goulart, in
Arquivo Municipal de Fotografia


"Palacete na Estrada de Benfica" (s/data)
?, in
Arquivo Municipal de Fotografia


"Palacete na Estrada de Benfica" (1968)
Armando Serôdio, in
Arquivo Municipal de Fotografia




Lembrei-me igualmente da antiga paragem do autocarro 16, que ficava numa rua que ligava a Estrada de Benfica à Rua Emília das Neves, entre a escola primária e o Centro Comercial Nevada
[o Centro Comercial Nevada foi construído no espaço anteriormente utilizado pela Carris].
Acha que também é possível arranjar fotos dessa rua?
A paragem do autocarro situava-na na esquina com a Emília das Neves, enquanto na esquina com a Estrada de Benfica estava situado o posto de vendas de passes.
Ainda me lembro de ir para a escola e ver filas enormes de pessoas à espera do 16, filas tão grandes que chegavam à entrada da referida escola primária...




"Rua Emília das Neves, nº 2 a 30" (s/ data)
João H. Goulart,
in Arquivo Municipal de Fotografia


Imagem disponível no blog "Eléctricos..."
(referência enviada pela Helena Águas)




Para finalizar, quero fazer uma pequena contribuição para o seu blog.

Ao pesquisar sobre a referida paragem do 16, lembrei-me de consultar o site da Carris e encontrei isto.
A segunda foto mostra-nos um eléctrico para "Bemfica".




"Eléctrico a caminho de Bemfica" (1950)
Autor desconhecido, in Carris




Achei delicioso, não sabia que antigamente haviam eléctricos aqui na zona.
Não encontrei essa referência no seu blog (mas se por acaso houver algum post sobre isso, peço desculpa pela minha distracção), por isso decidi enviar-lhe o link com a foto.


Parabéns pelo seu trabalho e pela sua dedicação.


Grata pela atenção,


Lucia"




Agradecemos à Lucinha pela fantástica foto do eléctrico para "Bemfica" que nos enviou e aproveitamos para informar que no palacete que se situava na Estrada de Benfica, Nº 540, funcionou, durante algum tempo, o Centro de Saúde de Benfica.
Este palacete ficava mesmo em frente de um outro edifício (que recentemente foi demolido) onde funcionou a Junta de Freguesia de Benfica e, mais tarde, o restaurante "O Refúgio dos Beirões".

No que diz respeito aos eléctricos na Estrada de Benfica, de acordo com Carlos Consiglieri e outros, no livro "Pelas Freguesias de Lisboa", desde 1852 que havia carreiras de "omnibus" para Benfica; o combóio chegou aí em 1887; e, entre 1873 e 1877, circulava num monocarril colocado na Estrada de Benfica, o curioso "Larmanjat" - combóio a vapor; anos mais tarde, apareceriam os "chora" e os eléctricos.






"Olá Alexa

Já que se fez uma pequena referência ao incrível Combóio Larmanjat (...) aí vai um pequena nota sobre este assunto tão apaixonante o qual, foi tema de uma de uma aula na USIA da Amadora à cerca de 3 anos. Junto 2 imagens.



Imagem cedida por Fausto Castelhano



O mono-carril a vapor Larmanjat foi introduzido em Portugal pelo Duque de Saldanha.
Foram concedidas várias licenças para construção de algumas linhas. Entre elas, foi concedida em 11 de Julho de 1871 uma licença para o trajecto entre Lisboa e Sintra (26 Km) com alguns pequenos desvios no Cacém e Rio de Mouro.

A linha abarcava as seguintes estações: Lisboa (Portas do Rêgo), Sete –Rios, Benfica, Porcalhota (Amadora), Ponte Carenque, Queluz, Cacém, Rio de Mouro, Ranholas e Sintra. O trajecto desenvolvia-se através da Estrada Real Lisboa-Sintra. Foi inaugurada a 2 de Julho de 1873.


Imagem cedida por Fausto Castelhano



Este meio de transporte revelou-se um autêntico fracasso e, a 8 de Abril de 1875, a circulação do Larmanjat foi suspensa. Pouco depois, a Companhia do Caminho-de-Ferro Larmanjat abriu falência.


Um abraço de amizade

Fausto Castelhano"



23 comentários:

Anónimo disse...

Os eléctricos faziam parte da paisagem de Benfica nos anos 60, era um mar de gente todas as manhãs junto à estação da "Carris",recordo que existia o 1- Benfica / Praça do Chile, e o 5- Benfica/ Carmo, havia um bilhete especial mais em conta, que era vendido até às 08.00 da manhã, "bilhete operário".

Os adolescentes que viviam no bairro e que tinham a felicidade de continuar a estudar, utilizavam esse meio de transporte.

Depois de concluida a instrução primária, hoje ensino básico,as opções eram normalmente para
os de familias mais humildes o chamado, "Ensino preparatório" que era leccionado na "Pedro Santarém", situada na Est. de Benfica, mesmo defronte do "Jardim Zoológico", num antigo palacete. Esses moços depois de concluidos dois anos de estudo, podiam optar pelas " Escolas Comerciais ou Industriais", normalmente quem seguia a comercial ía para a " Veiga Beirão" no Largo do Carmo,os do ensino industrial íam para a " Machado de Castro" que se situava na zona de Campo de Ourique. Os filhos das famílias com um pouco mais de posses, seguiam o ensino liceal,o escolhido era o "Camões", uma minoria podia seguir artes e o caminho era a "António Arroio", ambos situados na zona do Saldanha.

Falei de rapazes, à época o antigo regime não permitia misturas de rapazes e raparigas.



Vitor Filipe

Anónimo disse...

Em relação aos eléctricos em Benfica, lembro-me principalmente das longas filas de trânsito que havia, na época, na Estrada de Benfica. Muitas das vezes eu, e muitas mais pessoas, preferia ir a pé até Sete Rios. Conseguia ser mais rápido!!
Como vê, nem tudo piorou, como algumas pessoas querem fazer crer.


Leonor Nunes

Lucia disse...

Muito obrigada, Alexa!

Gostei particularmente da foto da Rua Emília das Neves, onde se vê um eléctrico "escondido" entre os prédios.

Quanto ao edifício, a foto data de 1971, época em que ainda não morava em Benfica, daí não conseguir reconhecê-lo. Mas não deixa de ser curioso ver como era o "asfalto" da Estrada de Benfica...

Lucia

CBF disse...

É com saudade que recordo esta foto da antiga Rua Emilia das Neves, onde passei a minha mocidade em casa de meus pais no 38 da mesma Rua. Benfica tinha outro Encanto.

Anónimo disse...

é um crime e uma mentalidade de 3 mundo demolir-se palacetes numa área antiga que se quer conservada, ocupada, e lembrada.

Alexa disse...

Vítor e Leonor: está visto, pelo vosso testemunho, que já nessa época a Estrada de Benfica era bem agitada em termos de circulação (mesmo com os eléctricos :)

Obrigada pelas vossas lembranças!

Alexa disse...

Lúcia: fico muito contente que tenha gostado das fotos, mas vou ter que aqui fazer uma rectificação... pois fui alertada por um leitor, com mais memória do que eu, que este palacete que aqui coloquei ficava, na verdade, ao lado do que a Lúcia tinha pedido.

Já aqui volto para corrigir :)

Um abraço

Alexa disse...

CBF: muito bem vindo aqui ao "Retalhos"!

A Rua Emília das Neves, em parte, foi das poucas ruas em Benfica que ainda guardou o ambiente de (charme) bairro ;)

Um abraço

Anónimo disse...

Boa noite

Queria felicitá-la (e agradecer-lhe!) pelo seu blogue.
Em três meses que o frequento, aprendi mais sobre a minha freguesia, do que em trinta anos que moro nela.

Entretanto, relativamente a este post, apenas uma pequena correcção: a paragem / início do 16, não ficava numa rua entre a escola primária e o Centro Comercial Nevada - o Nevada é que foi construído nesse espaço, anteriormente utilizado pela Carris.

Um abraço

Alexa disse...

Caro Anónimo das 21h04: muito obrigada pelas suas palavras e por ser um/a frequentador/a assíduo/a deste blog :)
Na verdade, este trabalho de aprendizagem sobre a nossa freguesia tem-se feito conjuntamente, com os "inputs" que todos os leitores vão enviando :)

Tem toda a razão no que refere!
Limitei-me a colocar o e-mail enviado pela nossa leitora Lucinha e depois não fiz a devida correcção ao que ela mencionava... vou já corrigir no texto.

Um abraço

Lucia disse...

Bom, eu posso estar enganada, mas tenho a sensação que o prédio amarelo do lado direito do Centro Comercial Nevada é que foi construído no espaço da Carris...

Alexa disse...

Lúcia: foram ambos, o prédio amarelo e o do Nevada (que também não existia a essa data).

Bjs

Anónimo disse...

Parabéns pelo blog.
Também gostaria de fazer um pedido de fotos, prédio antigo situado na Estrada de Benfica nº625 que fazia esquina com a Travessa do Rio. Local onde nasci e vivi bastantes anos.
Cumprimentos,
Tareca

Lucia disse...

Obrigada, Alexa e sr. Jorge Resende, pelos esclarecimentos. As novas fotos do post correspondem de facto ao edifício a que me referia. Ao vê-las, surgiu-me outra questão. Será possível que a Avenida do Uruguai seja uma artéria relativamente recente? Pergunto isto porque o sr. Jorge Resende diz: "No seguimento deste palacete até à esquina com a Av. do Uruguai ficava sim o outro palacete que a sua foto mostra". Ora, na primeira foto, datada de 1971, não é visível nenhuma rua perpendicular à Estrada de Benfica. Porém, na última foto, onde aparecem o antigo centro de saúde e o palacete, é possível ver que há menos edifícios à direita do palacete, sendo visível também a esquina da Avenida Gomes Pereira. Daqui eu concluo que a Avenida do Uruguai seja posterior a 1971. Será que algum leitor poderá confirmar esta minha suposição?

Alexa disse...

Lúcia: no Arquivo Fotográfico Municipal (), aparecem imagens da inauguração da Av. do Uruguai a 23/08/1967.
Mas a questão que coloca é pertinente, uma vez que a 1ª foto, datada no Arquivo Fotográfico como sendo de 1971, não é evidente sobre esta questão...

Fausto disse...

Olá Alexa

Vamos lá a ver se nos entendemos.
O Centro Comercial Nevada foi contruído exactamente no espaço que servia, exclusivamente, à passagem do carros eléctricos. Onde davam a volta. Onde estava
o Expedidor. O lado direito desse espaço, para quem estiver na Estrada de Benfica, ficava encostado ao muro da Escola Primária António Maria dos Santos.

Fausto

Fausto disse...

Rectificação
Mil desculpas por, de alguma maneira,ter induzido em erro os nossos amigos do BLOG no que diz respeito à posição do local do Expedidor, isto é, o local onde os carros eléctricos davam a volta para a Rua Emília das Neves. Só a deslocação ao local, ontem, me permitiu recordar e esclarecer com mais clareza este assunto. Assim, o local onde está o Centro Comercial Nevada era uma garagem, creio que se chamava Benficauto e, o espaço que está entre o Nevada e a Escola Primária António Maria dos Santos, e que hoje está ocupado pelo prédio amarelo era, de facto, a tal passagem onde os eléctricos davam a volta.

Fausto Castelhano

Fausto disse...

Olá Alexa

A Avenida do Uruguai foi, efectivamente, inaugurada em 23/08/1967 pelo então presidente da Câmara Municipal de Lisboa, França Borges e com a presença do Cônsul do Uruguai em Portugal, além doutras entidades. Esta avenida e toda a enorme urbanização em redor, foi construída numa área que pertencia à Quinta da Granja.
Esta via permitiu romper, para norte, o acesso a Carnide, Lumiar, etc. Antes, esse acesso fazia-se do seguinte modo:
a)Através da Estrada Militar virando, mais à frente e à direita, pela Estrada da Correia;
b)Pela Estrada do Poço do Chão (hoje Rua da República da Bolívia e que, um pouco depois do cruzamento da Estrada dos Arneiros, se transformava numa verdadeira azinhaga ladeada pelos muros das Quintas da Granja e do Conde de Carnide (à direita) e, do lado esquerdo, pelo valado da Quinta do Charquinho e o muro da Quinta da Sarmento (ou do Bom Bom Nome). A Estrada do Poço do Chão entroncava, depois, na Estrada da Correia, à beira da Igreja de S.Loureço, já na freguesia de Carnide;
c)Através da Azinhaga da Fonte (hoje, Avenida do Colégio Militar) que desenbocava na Estrada da Luz (Carreira de eléctricos nº13)frente à Igreja de Nossa Senhora da Luz.
E, já agora. Junto ao chafariz que está em frente da Igreja de S.Lourenço (na Estrada da Correia) existia, não faz muito tempo, um marco em pedra que assinalava o limite do concelho de Belém a que pertencia a nossa freguesia de Benfica. Só a partir de Julho de 1885 é que a Freguesia de Benfica passou a fazer parte do Concelho de Lisboa.

Um abraço de amizade

Fausto Castelhano

Alexa disse...

Tareca: muito obrigada pela sua visita!

Vamos tentar arranjar-lhe fotos do prédio sito na Estrada de Benfica, nº 625 :)

Um abraço

Alexa disse...

Fausto: muitíssimo obrigada pelas informações sobre a Av. do Uruguai!

Estou a ver que temos que fazer um post sobre essa artéria, que ainda aqui não mencionei (apenas falei sobre uma das lojas que lá se situa, a "Ulmeiro").

Um abraço amigo

Fausto disse...

Olá Alexa

Apenas duas curiosidades sobre a Estrada Militar (Estrada da Circunvalação):
1- A volta a Portugal em bicicleta já por lá passou numa das suas etapas. Creio que foi em 1946 ou 1947 em que o José Martins venceu a Volta. Os ciclistas vinham dos lados do Lumiar e percorriam a Estrada Militar até Algés. Daí seguiam até Belém onde terminava a etapa.
Meu pai, que era um grande entusiasta do ciclismo, fazia questão de assistir, sempre que possível, à passagem dos ciclistas. E lá íamos, com o farnel bem aviado, á espera dos gigantes da estrada que, nesse tempo nunca se sabia quando passariam. Bicicletas muitíssimo mais pesadas, estradas em macadame (como a da Estrada Militar) e escassos apoios. Ciclismo muito duro. Lembro-me que os esperámos junto à curva que precede a subida para a capela do Cemitério de Benfica. Local privilegiado onde os ciclistas abrandavam e se preparavam para um maior esforço na subida.
2- Exactamente nessa local, isto é, vindo de Benfica e passando a Capela do Cemitério existe a curva à esquerda que antecede a longa recta até ao Quartel da Pontinha. O Cemitério ainda aí não chegava, nem pouco mais ou menos.
Era aí, nessa curva que fazia um recanto isolado e sombrio (e à vista do cemitério lá mais acima)que existia um freixo onde, por hábito, as pessoas que se predispunham a essa atitude desesperada, lançavam a corda num dos troncos e se enforcavam. Sempre se murmurou estas histórias muito tristes todavia, o meu amigo e vizinho António Augusto, uns anos mais velho (que memória!), confirmou isso mesmo e, no que lhe diz respeito, pelo menos em três ocasiões, ele próprio foi vê-los dependurados.

Um abraço de muita amizade

Fausto Castelhano

Alexa disse...

Boa noite amigo Fausto,

Estranho e curioso facto (sobre esse recanto sombrio) nos relatou aqui.
Desconhecia por completo este interessante dado.
Muito obrigada pela partilha!

Anónimo disse...

Descobri este blog agora mesmo e aqui estou a enviar o meu 2º comentário. Isto, depois de ter referido o sentido único na Emília das Neves. Antes de mais, confirmo a garagem ao lado do terminus dos eléctricos e do 16. Do outro, a escola primária. Os eléctricos circularam pela ultima vez na Estrada de Benfica em julho de 1973. O 1, à época Benfica- Pç do Chile, foi substituído pelo autocarro 16. O serviço até Sete-Rios foi substituído pelo 16A. Ambas criadas para o efeito. A Carris pôs ao serviço nestas carreiras autocarros AEC, 2 pisos, modelo Regent V (five),com nºs de frota entre, mais ou menos, 360 e (aqui sem mais ou menos) 439. estas carreiras de Benfica foram das primeiras a ter estes autocarros substituídos pelos Volvo B59 (os primeiros laranjas). A supressão da carreira 5 deu lugar à alteração da carreira 15 (que já nessa época era feita pelos mesmos Regent V). Esta passou a ligar as Portas de Benfica ao Cais do Sodré (o percurso da actual 758 com excepção das alterações entre o alto de Campolide e o Rato) em vez de ir aos Restauradores, via Campolide. Mas a alteração de percurso deu também lugar à alteração da tipologia de veículos. Aqui os Regent V foram substituídos pelos carros de 1 só piso e 3 portas laterais AEC (nºs 61 a 66) ou Daimler (nºs 67 a 86) com muitos lugares em pé. Era o tempo em que a Carris ainda só tinha carros ingleses. Da série 67 a 86 podem ver hoje no museu da Carris o nº 76 que foi preservado.