terça-feira, 26 de janeiro de 2010

"Tens vintes?"



E-mail recebido de uma amiga e vizinha de Benfica...



"(...)

Em relação ao seu blog sobre o Bairro de Benfica é sempre lido com muito entusiasmo por um amigo de infância, que já não o vejo há anos e que vive nos Açores. Está a fazer uma pós-graduação (acho que é) em Museologia.

E sobre uma das
[posts] que lhe enviei aqui fica o que ele me escreveu:

- 'E em que pé está
a luta pelas Vilas Ana e Ventura? É engraçada a coincidência.

Um dia, não há muito tempo, passei com um amigo diante dessas moradias e parámos para as ver melhor.
Já era noite e estranhámos que uma casa que, aparentemente estava em ruínas, tivesse
luz no último andar de uma torre.
E, na brincadeira, imaginámos histórias fantasmagóricas e sei lá mais o quê.

Outra coincidência é que
o surrealista Luiz Pacheco tivesse aí morado.
Conheço boa parte da sua obra e sou muito amigo do Bruno da Ponte, homem já quase com oitenta anos e que privou com ele e com o resto do grupo surrealista de Lisboa. Aparecem, aliás, no livro do Pacheco, 'Pacheco versus Cesarini', duas cartas do Bruno, a quem o mesmo Pacheco pedia vinte escudos, de vez em quando, de uma forma bastante pitoresca: - 'Tens vintes?'
Era uma das suas características andar com a algibeira vazia."




Em resposta ao amigo da Carla que vive nos Açores e, também, lê o "Retalhos de Bem-Fica", aproveitamos para informar que o Movimento de Cidadãos está a crescer cada vez mais, assim como a divulgação desta Causa.

Depois de um trabalho intenso de pesquisa histórica e genealógica, assim como muitas conversas com um dos antigos habitantes da Vila Ventura, conseguimos já estruturar toda a história destas Vilas (restando apenas a definição de um pequeno elemento em falta).

Aproveitamos para agradecer a todos aqueles que nos têm ajudado nestas andanças!

Outras diligências estão a ser tomadas, sobre as quais informaremos, muito em breve, todos os que já aderiram ao Movimento de Cidadãos.

Entretanto, aproveitamos para, mais uma vez, aqui reiterar que todas as sugestões, ideias e propostas de que se lembrem para ajudar a esta Causa serão muito bem vindas, assim como eventuais testemunhos de pessoas que tenham vivido na Vila Ana ou na Vila Ventura (podendo, para esse efeito, aqui deixar o vosso comentário ou enviar-nos um e-mail para palavraseimagens@gmail.com).



4 comentários:

catgcoelho disse...

Cara Alexa,
nos idos de 1996, lá para Agosto, entrei na Villa Ana, a propósito de um cartaz que dizia "dão-se gatinhos". Como ia mudar de casa, para longe de Benfica, fiu até lá procurar um pequeno amiguinho que comigo quizesse partilhar o novo lar. O edifício estava já muito degradado, sobretudo no seu interior. Porém, ainda residia lá uma senhora de meia-idade, cuja gata de companhia tinha trazido para o quintal uma ninhada.

Sobravam apenas duas crias: um gato cinzento às riscas e constipado e uma gata preta com ares de exploradora. Pensei que para rinites já bastava a minha e desde então, a Alice vive comigo, já está velhota mas permanece com grande interesse por vasos de plantas... local aliás onde eu a fui resgatar nas traseiras da Villa Ana.

Não se trata propriamente de um contributo para a história dos dois imóveis que agora importa salvar constitui, sem dúvida, um episódio muito saboroso da minha própria história.

Um abraço.

Alexa disse...

Catgcoelho: Muito obrigada pela sua visita e, sobretudo, pelo seu testemunho!

É, também, dessas pequenas estórias das vivências relacionadas com estas duas Vilas que nos interessa aqui falar... por elas próprias falarem da História relacionada com o passar dos anos da Vila Ana e da Vila Ventura.

Fico muito feliz de saber que a sua Alice da Vila Ana vive ainda consigo passados 14 anos.
E deixo-lhe aqui a dica para, um destes dias, passar por um outro blog (http://bazardosronrons.blogspot.com), relacionado com gatos ;)

Um abraço

Su disse...

Vivo em Benfica desde sempre, pelo que é inevitável sentir um grande desgosto por assistir à progressiva degradação de 2 das casas mais interessantes que relembram o bairro era conhecido pelas suas inúmeras quintas.
As minhas memórias mais antigas destas Vilas são da minha infância (final da década de 70-início de 80), quando a minha avó recorria a um poço que lá existia (não sei se ainda existe) para ir buscar água sempre que esta faltava no bairro (imprevisto que foi relativamente frequente naquele período).

Alexa disse...

Su: antes de mais, seja muito bem vinda aqui ao "Retalhos" :)

Muito obrigada pelas suas palavras, que expressam muito bem o que todos nós, que nos juntámos no Movimento de Cidadãos pela preservação da Vila Ana e da Vila Ventura, sentimos em relação a estes edifícios.

Muito obrigada também pela partilha das suas memórias de infância sobre estas Vilas!

Acredito que fortaleceremos muito mais a nossa Causa se todos aqueles que, como a Su e a Catgcoelho, têm memórias destas Vilas as possam expressar publicamente.

Infelizmente, o poço a que a Su faz referência já não existe, nem tão pouco a enorme quinta que ficava nas traseiras das Vilas; as quais se encontram agora limitadas aos logradouros e a uma escassa parcela de terreno, paredes meias com os novos condomínios ali construídos.

Um abraço amigo e volte sempre